Se liga! Informativo Onda Jovem

domingo, 26 de junho de 2011

O Novo Político

Atualmente vivemos um momento onde existem políticos de variadas formas de gestão e atuação pública, sendo este separados por um estudo que divide os políticos em três perfis, dos quais a divisão se baseia no modo de gerenciar a maquina pública.

A ótica da gestão pública é o grande desafio para um político exercer mandatos prósperos no que diz respeito ao retorno para a população, e não popularidade, uma vez que nem sempre decisões sábias de gestão publica são populares no curto prazo.

Os políticos que se enquadram no "nível um", são políticos já não muito comuns na atualidade e que trabalhavam com uma visão de curto prazo no trato de políticas públicas, exercendo os seus mandatos sempre em respostas de crises, ou seja, agiam de forma pontual e limitada a resolver problemas que eclodiam. Tanto em epidemias como em políticas educacionais, estas eram baseadas para sanar os defeitos do momento. Essa atuação relegava a maquina pública administrada a viver a reboque de outras circunvizinhas em vanguarda.

O enquadramento em "nível dois" dos políticos é o modelo mais comum que vemos hoje em dia, onde este atuam de forma planejada em segmentações de politicas públicas, pensam no prazo de seus mandatos e aplicam o orçamento visando soluções limitadas, ou seja, resolvem os problemas com a intenção de posterga-los a um futuro distante de seu mandato, e não trabalham pensando na sustentabilidade e elaboração de uma estrutura pública adaptável e dinâmica. Entendem o sistema de trânsito limitado ao seu bojo de problemáticas, e nada mais. O meio ambiente é tratado de forma singular e não conectada a tantos outros setores.

O "nível três", o último dessa escala, define os políticos como pensadores da estrutura pública de forma complexa e em teia, onde os diversos departamento da maquina estão diretamente ligados e todos alteram de forma direta e indireta no mais importante dos objetivos, que é o padrão de qualidade de vida. Os novos políticos trabalham com indicadores, mensurando no curto, médio e longo prazo todas as politicas públicas, e sempre conectadas em si, logo, meio ambiente está para saúde que está para educação que está para entretenimento que está para segurança que está para trabalho....e assim prossegue.

Vale lembrar que o novo político, o político de "nível três", não necessariamente é novo de idade, mas sim novo de pensar, de entender o seu ofício junto a res publica como algo temporal na sua pessoa e atemporal nos seus feitos.

domingo, 19 de junho de 2011

Gostaria de ouvir isso em 2012.

2012 se aproxima e abrir-se-ão os espaços para a apresentação de propostas que nortearão uma nova fase de políticas públicas municipais.  Os pré-candidatos a ocuparem o edifício Prada irão produzir planos de governo e um tema do qual gostaria muito de ler, ouvir e ver reside na mudança radical na forma de entender a prestação de serviços públicos.
Limeira cresce a taxas asiáticas durante esses anos que se estendem desde a recuperação econômica, vide o crescimento de nosso orçamento, e portanto grandes obras estruturantes apareceram, geração de muitos novos empregos, recuperação da renda da população e outros tantos pontos positivos, porem um ponto central ainda inflama em nosso dia-a-dia limeirense: o serviço público.
É chegada a hora de passarmos pela reformulação da forma de tratar os munícipes em suas solicitações, e este ponto nevrálgico fica evidente quando se identifica que o maior número de queixas vem da baixa eficiência em atender simples protocolos de ordem de serviço: poda de arvore, manutenção de estradas, entre outros.
Todos nós desejamos a vinda do Poupa-Tempo para Limeira, somos conhecedores das eficiências desse método de atendimento público, portanto ficarei muito feliz quando ler, ouvir e ver o futuro prefeito implantar uma central, nos moldes do Poupa-Tempo, para atendimento de nossa população, com centralização de protocolos, e descentralização na execução, informatizado, com acompanhamento dinâmico e de fácil acesso, e assim a relação do Poder Público e concessionárias dos serviços públicos ficará mais saudável.